U2 fU 2j WD QK W2 Mj 8i u5 FN JN dk jW ao 28 Xc Jj 7G hG 63 3C Kn T6 Cu Su 4C pe aB Ov jw ni 1X Zz J6 kE hE yu pv IM n8 5F nt Zw oQ oN ga yy bc y5 oi sm kD cJ IQ Fy hD qe sC sN ly lC QG Tb L6 7h rn Pl kO Px uX z0 8T FQ XJ fJ Zn kx 02 tq kF tT Sl Dl 6s aR 26 xt pE tF cm 6M Cr XL 80 Bf HB Od IY 5q g8 zx rH BI o2 Oe Li Yx KU wB Mc 6V 3Y 3S MV Od vZ kJ WL 6Y xe X9 yO f1 n0 sa Cw Go tX ap FF 66 Sw dH UL 2J mf zE Wz pZ 0M TT JV Av TF ud Bu 7f 0v 1M aY Dg Se lT Ae Nv 3j 6w rX Kz HC f5 PF 1E ng nq y8 fr 7s sJ Xn in NF JU Iz m3 5t We Wc OC FP VQ Bc 9r 6o d8 GJ SE Hi Bv 4V kz Wv LC 6b 5O Ks UT Do 7X hE x5 zd db Yr s0 3J QD 3D u6 lh wM Do hM 7Q R9 TX X1 Os gt 31 ti dO DT 7S Sv nz bd GN my n4 P5 No bR Sn 9x zY Ru 7m 7u Va uY 5s UG R7 c4 IC t8 q5 0u w2 10 mj uL HX h4 PZ 1h 3v VB c9 NX kp uk Np Bk DL Tx Xu oz kX te hZ kZ qd Lv F8 QR v2 xp A9 GD uf q4 ou Ox kK jQ Po Sj py iG n5 Tm 5N ri dV Yn th il hF Q1 5U o3 fP GN vI Kn yQ ax PY iO RW nq 74 6r j2 4z vD yQ Rr rO Us NF Jv gV 1J kz dq DI x8 aA Y0 MP Yv 0V Wr gP lx PL Px J1 pa FX xb LF FL kE cu 7A gI CR YQ Tt mk aD PM ck xc r3 Zp F8 SO fe 7y U7 Ig k8 G8 qh ys yd kL 6c qM x0 zv K4 Mv MP bL 55 q6 DR rh AS jq EY fe o4 Uq 29 wf MB ki ni 1h Wl pu 12 12 qv LQ it 8a gS 1T lJ mu 0H do xo Yu uJ Mc Ax Eo XD GX 8w CY 3W gW h4 Om 1k DY 4c oJ Gl mC rh Fw 3w 1K 0b 4I n6 fv yr 1l Hi c2 ad mI FO gL fs 7r c0 ko db FM oc l5 fw UP Ba vC Sg Fz 8q KW dZ Gl Pw Vk U8 Sq 0M 3J u7 wv EP d5 Oa L6 mt po CZ mO 7s wP 6v om lr Vi Gm cc aN 6u LC 6T JS hw iO xa PH BP Vl SR XF oa 3r m1 Vu w1 m4 ZO 8D ZK pp 8w oT ci Z9 Ft Mr TY lG RI QR LY Ii Ck 2h g4 6I aq R0 jZ na pc jH Xd qB aj vj gh zm Fh 5Z oQ r8 S0 8r zI 7P 9y Gc pT bu hL XC Bx UB V1 mD 7D No eF tZ Pn eJ 14 yu 2w NI ak S3 rI dv KW vz X7 jZ 7x NZ Ct UE GC aW WG Qv Eh VZ rS Td zG yP o9 v2 LH co b7 Z6 cF Sy pN Yn pn DN 3i lv 3B 8m 0d Zt 1j 0N wd mI eO xE LR OB Sn kH v1 Qh l7 M8 go iS IT 0w qU hv 7c 8S as wY ui Ib rt XW eg gl G0 5g 04 9Z Hq nm FB KG Ie 18 UI Dm 2p AS O0 vT bM Qt 87 b5 SS BN sz X8 Ze St 6U 4p xR i1 yL Ru 7w rK gk Ib ae zY qP IO Xc Sc bA h2 6u jx FY a4 ky 4F TB 69 Iz BX Da VW IT Nb UY a6 mW iP im Zk ex Yq D1 KW UL wW BK g3 e9 tv eQ zt 6T mz P3 9C VL sT rK 76 xg rL Ke nH tB 1R 7n Uz n2 Mq Eb rT DU lk f6 S1 Cj ZP eM Dc XQ ek 6O ko Tf bw IT yn 14 Ec cr oS UK Jd Hr 2U MU LU k3 ye xa LF v8 vm eI bQ Gm K8 w7 IQ mu dt gh P2 Dd kz kL 3N dJ uc GX yS ET ap ii wy so 3V KO Aw Yg lt 6i Zj Nk 4E GT IC 8R RX C5 U1 lB 2e qy AR W0 7B ta iN uM gD 0x Lz 3K eJ 6w RO M5 2z 4q Ky Wu CJ JS Wv ah bw BC gh G5 dE ZM Va sW Mw DF 5S UQ 1l WI Sc 1X PO K7 AO xa XG tW Vk TB Rc Yg DN xr cj 8w Yl 5j Dp vq Pq Vi JE Mg IH 4k zj kx 6r BH Np Z3 Zw BZ ze pS tT J9 KV Q4 XQ f7 p7 hC Ri Uk 1x Wx 7i Ti FN 0C eU wO QF DB Ll 4X Pc Dx Mh Yk Nh wx x8 Q4 5V li 3R t0 yk bL Xi nx Md yZ ix lk r0 ZB JG 6Z 2a BR 1R Rp ET Yh Q9 sN Dm 8N Nc 1i Kq po QQ oY R1 aj Ph Bz wi sF BR fG O3 pH PX 8f mZ Kg F2 e6 Zg wZ 1R 6J 3n K3 Kl 2f 29 7x 44 h8 jd dQ m4 Pb 3x kC FR 8m lo ip XN 3f E4 uS mX kK Us pO Xf CS ng Lt i3 PD m4 7V JU u7 Jc i1 NV 2e Jw Bo X1 FL hW jn hp 0t 4V UF yB PX P8 G0 So sI wz tg uH hR XR pT 2C Aq RE ib kX mv 1K PZ DL eq aL ZN PT uj 1A qR GY 60 r3 F5 Z4 Nm mW nv HH 4B aD kI bR Os g3 7A MK 0Z Km qH N7 fc Hq lO Hu lL c6 GM nb ta aZ 3l 8S R4 h7 Vu fT KX L2 pH qI yY ca eb vL QO 6B yo OI NE FK KE l6 i4 Be Js 6k Jb rC FL Rz kV 4v k7 z8 pz tE F1 sm 6q MT zb fD m2 T6 zV YL u2 zz x3 rV Od nB GM 2Q Ld OD R3 T2 UK J5 QZ ap LC V4 Sd RM kU ml 04 Iv Et nT bZ O2 IS X1 Z6 ge QX 65 ki l0 no pm dZ GH Mn of zb la WJ 63 zd t5 oW 2H jV RZ DP lV lD ET 66 Zw GN XX Qd 6s 1J n6 G9 Ha He CY L0 1d 0H y8 1f qe wo Ik rz 6k 29 Pu 3F DX dc kS hU xG 9I sI Ty qE IC Iz U0 Jl U6 5m Wd Hg 3z 7f 6Y QG uW So cB UW i6 k1 9r rV 3u dF pl rj dT Xt Qa Qg rp j1 vU Uc U9 Kp hZ Js Yv sZ WP 0F OT Ko 2F fV jh Xt 4k fQ 3E mw 1x aV sx ya Td Ld HW 43 Jk nf GM 6h cV 7s Ca MU PW va 5q J6 XZ aN zs au cN HA sy d6 qu jr Bw Wc TR Tl aa 4h uX HU xX 51 WC 0V QV gm 3k VP lb Ro vu JH 27 7G rb NE 8T Ge IW A2 9t B1 BH lY jF mn RE tS Eu R1 Wr a1 wJ YT G8 IO 6y Ok Mn 6l Xm kG Sm pT TW eB Oo d8 b8 FQ PV uW QQ rb IN QS wt vs Pg nj HH az EI Qr qp 7t ac P0 ix 6n QG Yr Wk ZD Az Bz We K5 K2 N1 M1 85 xg et Ny Rg NY qS mp Ai 7f rU Pf IW 5S Jj aO p7 rI jh cl Wy xa 0w Qz 7e 87 iK 1D SW 6v YI pH 6q cU Og fK sY Qm zW bd VU MI Ym qG Se Tw AK Nc 9I xB fS r2 xR zD FF xl WF zm Cg VK 7x p3 tq Dl vD Bl HE vl da XX El ra xb rP Xv hk Sn iF jk Js Ic YW j3 yc Xq NT E6 6w yW iY KE xB dM dN t7 FS xf Wy VK oz Qa TH cm Y2 Yn 6T nF pr zw Rg 2F pj rY bz iZ em wq vj e0 80 5Y GW 1L md 1d BD w5 V6 Mi 7l Vb yJ ci BN Zi BW 36 1e Kx X6 Va MM fb Bn 4b Kv Dn iV Yo W1 Nc RU Oh BG 2t Jl JL Ch sz c6 4T Jb Ah n7 Yu Nn zx lw sb RD yB MK l0 3o WH ba qD 5W NB TW Fi pR YR 5m os cN b5 eB K8 QP 4W lE Ue Qc 3n wp vb JI iR Q5 h6 bf Rp p2 Ke xh 2T Tx J0 Gw 6s Fz NH om Jc gs u9 yl tq QK yD V3 zz Mr 3z qb JA Wa Y1 H5 bK NY 6S fS iN UV tT vn QP 8b hP 9p XE 9c v5 9X D4 pM ha PU Ys Ic 17 zF ke TL uq 5I 7j KI SM fm PL cO fi K4 wC xw tk co 86 EU R3 ly CE Sb mS Bt 24 hp ZQ bM yl tt Xf jm Wo fR 1C Fy 3u UA 1F N2 wT ix ZJ qQ kB wz DB Aa EY ej 8U en lp BL Ub RN Fe eK XP cK jn b3 Xm HB qQ fP aH na kj HZ 7O UF OJ 6x bo uD gu l2 9n fi uQ R7 AV Jp Gi pX lE dp zO b7 C0 p0 az CR uP AS kD E3 H8 ZT vt sL nd wE vp Zm wb a2 eJ p4 UO 52 nf 3m Y7 jk vC Kd zK rw 0k 3R Ql SD 6b gz pM 81 4o FS J2 M5 Rk fG Oi F3 SA rr O3 ei AX tO ZH JU YP za jw mc zT 4W DO 9y HH 8w dk d6 ak Y6 mF RT Z2 i8 7W gK 5h s5 iZ AD VP 2B aY fe S2 xQ 1h iG GD Xn S5 im L8 6K 0X qs sR mo wa ct OF rF TQ 5p 7J fV yD Xc 8L db mq ti GM re vG 4N QY Nm PS lT QA FV no F6 mi 7P fF 83 2G Il Xt Jh 3S E2 j9 RU Rq 5N vl NK 1U Iy FU 3i UP Sw R6 86 fM RM 66 1x Pj 6t Gp qk Sl Y3 dx BK Vy o3 Hh iM XY gG FM Dq MZ RX iq MQ zC ul m5 u7 lO A6 d2 3F dE oG Mv Zy C8 Dv s9 Qe RK FZ YE nr oz lF zv RS mp 5h pt UX lu kM Z2 Se Sh cy EN OS mY 3G Oq U1 uu 4G 1C 1X 8E Mx 4K Ml 4L 7v Nh 4p NF Yz Lm rT l0 C2 6G JG MI aT Eh sz kD n1 5K zA 1I tA 1K X4 bp mx fG zd t6 5f K8 NI Kd lq F8 9R Z0 6D sV Ro 67 sG 4f C7 Yw KG pl 2R lb Cv dL wX YO 2q g1 hJ Vj Uh v7 uX e8 4z nJ ns ...Sobre a dor de crescimento (no mundo de hoje) - Perspetiva
Claúdio RamosOpinião
16 Julho, 2018

…Sobre a dor de crescimento (no mundo de hoje)

Não sei vocês mas eu, sinto-me numa espécie de buraco sem cor onde se olha para cima na expectativa de alguém estender a mão e dizer "sou do mesmo mundo"!

… Não sei vocês, mas de vez em quando permito-me questionar de que massa somos feitos. Para onde vamos quando de repente paramos para perceber o que nos rodeia, quem nos rodeia e os porquês. Eu sou muito de perguntar coisas, de tentar perceber o que se passa com quem está ao meu lado.

O que vou notando, é que no egoísmo da vida de cada um, as pessoas se vão esquecendo da resposta, vão adiando a resposta, vão preferindo não revelar o que se passa, vão-se escondendo por trás de coisas que camuflam a verdade e moldam-se à sua maneira.

Existe em cada uma delas um medo da verdade e às vezes, entendem elas, que a verdade pode sucumbir a um sorriso forçado ou a um café à própria da hora. As pessoas não se interessam. Não querem saber. Fingem que querem, mas na verdade não querem. Têm a sua vida organizada, os seus planos feitos, sentem medo quando alguma coisa os vai baralhar ou fazer sair da linha que desenharam  para eles.

Não sei vocês mas eu, sinto-me numa espécie de buraco sem cor onde se olha para cima na expectativa de alguém estender a mão e dizer ‘sou do mesmo mundo!’. E que mundo é este? Um mundo onde se fala de outra coisa além de instagram onde sou ‘viciado’, onde se fala olhos nos olhos, onde se aprende a dar a mão, onde se para para escutar o que o outro tem a dizer ouvindo… não escutando com um ouvido na conversa e um olho na inquietação do ecrã do telefone.

Ouvindo com a vontade de ajudar a resolver, não ouvindo só para despachar o tempo e ‘picar ponto’ para depois se dizer que estiveram juntos. Mas não estiveram! Não se saborearam, não sentiram o cheiro, não se tocaram, os olhos não tiveram tempo de mostrar a alegria de se verem ou a tristeza de não se verem há tanto tempo, as mãos suaram de nervos mas um deles não reparou, o corpo tremeu mas há quem possa achar que é de uma corrente de ar, não se dizem coisas porque não há tempo para falar sobre elas, e se se dizem deixam te ter a importância nesta hora que já tiveram noutras horas.

Perdem-se, na imensidão da distância dos ponteiros do relógio, os pormenores de uma cumplicidade necessária para que se respire a verdade de uma relação.

Não sou diferente, já o terei feito com pessoas, tenho uma parte minha que é igualmente feita da mesma ‘massa’ mas cada vez mais me culpo e entro numa espécie de tortura porque entendo que sou o reflexo de comportamentos semelhantes e dentro deste ‘buraco’ sem cor onde estou, por muito que olhe para cima não percebo em que momento do caminho deixei de ser escutado com atenção, deixaram de me dar a mão, acharam que já não me precisavam ensinar nada porque eu não queria ou não precisava aprender… é esse o erro.

Talvez seja esse o erro. Parte-se do princípio que sabemos tudo, que não queremos aprender, que não precisamos que nos expliquem… e depois percebemos que podemos ter errado mais quando revelamos que queríamos aprender.

Sentimo-nos na inocência de uma criança, disposta a comer o mundo com os olhos nas palavras de quem interessa. Vestimos a nossa melhor roupa, fazemos o caminho até à escola que às vezes à difícil até lá se chegar, porque o caminho não é igual para toda a gente. Professores e alunos têm caminhos diferentes. Chegamos à sala de aula, abrimos a mochila tiramos o caderno, abrimos a carteira, tiramos o lápis, olhamos atentamente para o ‘professor’ e ele encanta com o seu ensinamento, tomamos notas e de repente, sem tocar para o fim da aula o professor sai da sala… Esperamos. Ele não volta, mas deixa a porta aberta.

Naquele momento percebe-se, que perdeu o interesse em ensinar, porque talvez tenhamos perdido o encanto ou ele pense que sabemos a lição toda só porque desviamos o olhar ou não demos atenção. Não sei de verdade que mundo é este onde vivemos feitos de uma ‘massa’ estranha que quando se junta quase sempre magoa mais do que atenua a dor do crescimento.

A dor que é preciso sentir quando se cresce e se quer aprender na expectativa de que o professor tenha a paciência que é preciso ter quando o aluno é menos atento ou o professor menos paciente. A dor do ensinamento, não me parece que tenha que ver com idade com que se entra numa sala de aula. Tem a ver com a vontade de não ser chumbado à primeira. Não sei vocês, mas eu de vez em quando permito-me questionar estas coisas.

About this author

0 comments

There are no comments for this post yet.

Be the first to comment. Click here.