Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
ActualExclusivoRegional
10 Junho, 2016

Santa Eulália: A Aldeia Grande do Alentejo

Perspetiva produziu Documentário para a Junta de Freguesia de Santa Eulália. Santa Eulália a terra dos Capotes, das Pedreiras, da Dobradiça, da Correaria, dos artigos de Caça e Cortiça e do Estanho.

Santa Eulália é uma freguesia do concelho de Elvas com cerca de 1.200 habitantes. Como todos as povoações alentejanas foi da terra e do engenho que retirou o seu sustento.

Ao longo da sua existência Santa Eulália calçou de granito milhares de ruas, aqueceu com os seus capotes milhares de corpos, dá brilho às lides tauromáquicas nas principais Praças e produz os acessórios mais requintados para a caça.

Decorou casas com um dos mais nobres metais: o Estanho; sacia as vontades com a confeção da reconhecida Dobradiça e veste os mais apurados gostos da moda atual.

Pedreiras de Santa Eulália:

carlosmexia

Há décadas chegaram a existir cerca de dez, atualmente restam apenas duas no ativo. Das entranhas do solo de Santa Eulália retiram-se Pedras de Granito às toneladas.

Há granito desta Terra em praticamente todo o país e não só, como testemunha Carlos Ameixa, proprietário da empresa “Carlos Granitos Lda”.

“Os solos desta terra foram sempre ricos em granito (…) tudo o que é pavimentos sai daqui: cubos, paralelos, calçadas (…) Este granito é capaz de estar espalhado por praticamente toda a Espanha, tenho meia França e para Portugal também vendemos muito”.

Capotes Alentejanos de Santa Eulália:

alpedrinha

É daqui da Aldeia que saem para o mundo os originais capotes alentejanos. Aqueles que começaram por aquecer os pastores nos rigorosos Invernos alentejanos e hoje vestem os homens mais eruditos.

“Já se fizeram aqui milhares de capotes. Nos anos 90 chegámos a fazer dois e três mil capotes. Mais para Espanha. Os nossos clientes são os que vêm de GPS de qualquer parte do país e da Europa. Venham a Santa Eulália por causa dos Capotes Alentejanos”, refere José Alpedrinha.

 Correaria de Alta Qualidade:

pedrobarambau

O mundo da tauromaquia tem Santa Eulália no mapa. Estima-se que os mais conceituados cavaleiros nacionais e internacionais vêm aqui adquirir acessórios exclusivos e personalizados para as suas lides

“Temos aproximadamente 95 por cento dos principais cavaleiros atuais. Temos uma mão cheia de clientes como a família Bastinhas, Paulo Caetano, família Moura. No Ribatejo temos a família Telles, Rui Fernandes, João Maria Branco. Em Espanha trabalhamos com Diego Ventura, Pablo; Andy Cartagena e André Romero”, avança Pedro Barambau, gerente da empresa “Equestre e Caça”.

A Caça e Cortiça:

martinhafava

Em Santa Eulália, em mais uma empresa familiar, a pele transforma-se em utensílios para a caça e a cortiça assume-se como a princesa do mercado exterior.

Martinha Fava refere que produzem acessórios para a caça em pele com reconhecida qualidade, não só em Portugal como também na vizinha Espanha. Os artigos em cortiça são particularmente comercializados para Barcelona e França.

O Estanho:

ferreira

As bagas que dão forma ao Estanho são extraídas nas proximidades desta zona do país. Este já foi um metal “de excelência” e muito procurado para a decoração. Santa Eulália produziu muitas peças, pelas mãos de Francisco Ferreira e hoje a procura recaí sobretudo nas reparações.

Correaria Charruadas:

charruadas

Na Correaria do senhor Charruadas encontramo-lo a trabalhar. José Charruadas aprendeu o ofício desde pequeno e hoje é Mestre e trabalha para cavaleiros tauromáquicos; raidistas e os que montam por lazer.

“A Pileca”:

pileca

Do outro lado da rua está “A Pileca” que há 25 anos dá forma original e única às linhas e às lãs.

Nina Pires realiza trabalhos em Arraiolos, Ponto Cruz, croché, malha de duas agulhas, pintar imagens em tela e tecido.

As Dobradiças:

olga

Quem visita Santa Eulália tem obrigatoriamente que provar as tradicionais Dobradiças.

O bolo tem marca registada e Olga Ameixa aprendeu a fazê-lo com as “pessoas antigas” da aldeia. Em média faz uma centena por dia, mas nos dias de festa pode confecionar 500. Para matar saudades chega a enviá-los pelo correio para várias zonas do país.

Santa Eulália: Preservar “Os Saberes”

claudiocarapuca

Santa Eulália é rica no Saber das suas artes. Para preservar a sua originalidade e riqueza cabe a todos preservá-la.

“Temos de valorizar o que de melhor temos. A aposta no futuro passa precisamente por estas unidades industriais, mas familiares. Desejo que estas atividades não se percam e que tenham futuro”, ambiciona Cláudio Carapuça, Presidente da Junta de Freguesia de Santa Eulália.

 

 

About this author

0 comments

There are no comments for this post yet.

Be the first to comment. Click here.