Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Fernanda SesifredoOpinião
6 Março, 2017

Meu Anjo

Choro-te muito, meu anjo.
Penso amiúde em quem serias hoje e os traços que me remendariam os dias, caso estivesses comigo,
Conscientemente, foste porque te arranquei de mim. Serias grande e serias mais um fruto do amor.
Sei que existes em mim, por aqui, por ali e acredito que há muito tempo me tenhas perdoado. Não sei fazer o mesmo comigo. Só sei rezar por ti e para que me rezes pelo perdão.
Não te toquei para sentir a tua vontade de viver. Não te ouvi o choro e a o riso da vida. Não tive esse privilégio porque me recusei a tal. E quantos serão aqueles que desejam terem recebido a minha graça e, mergulhados na tristeza e na frustração, nunca a tiveram?
Será que és de outros?
Será que existes noutras vidas e nunca te conhecerei ou reconhecerei?
A dor de me sentir suja e impura é dilacerante quanto mais o tempo passa por mim.
Procuro e peço a absolvição todos os dias da minha vida, meu anjo.

Ilustração: Carla Fernandes

Anjo meu, criança e adulto. Mas na minha consciência serás sempre um anjo à espera de sentir o corpo, as mãos e o peito da mãe pela primeira vez. Como desejo que o meu colo te tivesse recebido!!!! Ah, como o desejo!
Como te amo me anjo! Como te queria hoje aqui no nosso mundo de amor. Não chegaste porque não quis que viesses!
Ordenei que te arrancassem das minhas entranhas a custo de uma dor física que devia renascer em mim cada vez que me lembro te ti.
Fomos nós que te concebemos com amor mas também fomos nós que te negámos a vida. Malditos, nós!
Sem perdão, acho, porque o que do amor resulta só a natureza pode tirar.
E não sou a natureza. Sou antes o fruto de um momento que prova a crueldade da natureza humana, a cobardia, o desrespeito pelo amor e pela vida. A vida que te pertencia viver e te roubei!
Perdão meu anjo, perdão.
Nas mãos de Deus entrego a minha vida.
Nas mãos de Deus entrego a minha vida. Também por ti o faço, na esperança de um dia te ter uma só vez no meu peito e chorar de alegria por, ao fim de tantos anos, te encontrar.
Neste dia, meu anjo, perdi o medo de me sentir julgada porque mereces o meu grito de arrependimento.

About this author

0 comments

There are no comments for this post yet.

Be the first to comment. Click here.