ActualCarlos PepêOpinião
25 Junho, 2017

Meu querido Portugal

Foram horas trágicas as vividas em Pedrogão Grande, vidas perdidas pela inoperância de um pais inteiro. Todos somos Portugal e bem o vemos na hora de encher armazéns com roupa e bens alimentares, mas não somos capazes de nos unir para exigir que isto nunca mais aconteça.

A portugalidade é um desígnio, uma forma de ser e de estar no mundo. Todos vemos, sentimos e vivemos a nossa casa comum segundo as nossas experiências enquanto gente e enquanto povo. Temos sentimentos muito nossos e somos um povo solidário e unido que demonstrou e demonstra ao longo dos tempos a fibra que nos carateriza. Somos especialistas em superar adversidades e temos sempre lutado pela nossa identidade, mas sempre que sucedem acontecimentos trágicos como os incêndios da semana passada, refletimos com sentimentalismo sobre as crónicas anunciadas e com as quais continuamos a destruirmos por dentro.

A ameaça nacional é um desígnio interno, estará ela também no nosso ADN?

Somos nós próprios a principal ameaça à nossa soberania e é percetível nesta tragédia dos incêndios, na corrupção, nos jogos de interesses ou ainda na entrega das nossas riquezas e recursos a exploração dos grandes grupos internacionais. Somos nós, portugueses, que temos destruído um pouco daquilo que nos carateriza. Somos um povo de brandos costumes onde tudo tem uma desculpa e tudo é desculpável. Talvez porque todos contribuímos um pouco para esta fraqueza de género.

Uma das maiores riquezas nacionais que tende a desaparecer é a nossa ruralidade mediante a visão periférica da Europa. Quando me desloco pelo nosso mundo rural sinto que sou daqui, deste Portugal a que chamam profundo, erradamente. Se algo tem de profundo é nas raízes que nos unem à terra e que não nos deixa abandonar estes territórios únicos.

A tragédia dos incêndios de Pedrogão Grande coloca-me num grande dilema. Depois de ouvirmos tantos especialistas, teóricos, técnicos e as populações fica eternamente a duvida se temos que viver para sempre com este desígnio nacional.

O património Humano destruído por esta tragédia ofusca as outras tragédias, desde logo a enorme perda de biodiversidade e a destruição de ecossistemas fundamentais para a retenção de carbono (é de realçar a extensão de território florestal destruído apenas nesta semana e a enorme pegada carbónica destes incêndios). Sendo a área florestal da zona centro um enorme pulmão que agora desaparece se somarmos com as áreas mais a norte (por exemplo Arouca) ardidas no ano passado ou o interior algarvio, a Serra de São Mamede a Serra da Estrela, a Peneda Gerês (entre outras) vemos um mapa de Portugal que se destrói e reconstrói ciclicamente. Estas alterações da paisagem raramente trazem ordenamento, respeito pela biodiversidade e pelas regras de segurança das populações e leis (nas quais somos pródigos e ricos).

Com estas dimensões da catástrofe (Humana e ambiental) vamos perdendo outras dimensões, desde logo a ruralidade, na qual identifico a capacidade de viver nestes concelhos, de não baixar os braços e pelo respeito que se tem para com os antepassados. As pessoas que perderam a sua vida e todas as outras que ficaram com o seu património destruído não devem ficar sem um tributo de todos nós e não basta ser solidário agora. Devemos força para que exista uma verdadeira coordenação nacional permanente, uma aposta em equipas de sapadores de prevenção durante todo o ano que façam aplicar as leis no domínio público e em articulação com as autoridades obriguem os particulares à sua autoproteção e dos seus recursos. As autarquias e Juntas de freguesia, bem como os bombeiros de concelhos florestais devem ser reforçadas com recursos humanos especializados e meios técnicos, competências operacionais e planos reais, específicos, adaptados e avaliados permanentemente.

Temos que assumir que fomos todos e somos todos que perdemos quando não protegemos os nossos interesses comuns. A aposta numa floresta ordenada com recurso a espécies endémicas como o castanheiro, o medronheiro, os carvalhos, as azinheiras e sobreiros (atendendo ao perfil climático da região seja atlântico ou mediterrânico) em alternância com a criação de bolsas florestais de pinhal e eucalipto bem delimitadas e ordenadas e implementando uma rede de cooperativas florestais que suportem e apoiem os pequenos proprietários florestais em zonas com a particularidade desta. A criação do cadastro florestal permitirá ao estado cobrar impostos e reverter responsabilidades que agora morrem solteiras pois ninguém sabe quem é o dono, mas na hora de cortar os eucaliptos e receber um “dinheirinho” aparecem e voltam a desaparecer!

Foram horas trágicas as vividas em Pedrogão Grande, vidas perdidas pela inoperância de um pais inteiro. Todos somos Portugal e bem o vemos na hora de encher armazéns com roupa e bens alimentares, mas não somos capazes de nos unir para exigir que isto nunca mais aconteça.

Pedrogão ardeu talvez pela mão da natureza, mas foi o Homem que a desordenou, que lhe tirou defesas, que a abandonou, que cortou as tais raízes do Portugal profundo e partiu, ficando para trás aldeias perdidas dentro do grande pulmão de Portugal que agora está negro como o do fumador que sabe que fumar mata e todos os dias volta a por o cigarro na boca sem pensar nas consequências. Sejamos capazes de nos amarmos mais, de nos protegermos mais e de sermos mais Portugal, sem medo de nos criticarmos mutuamente para melhorar. Não creio que seja necessário demitir ministros, mas sim demitir um povo inteiro que se auto mutila, qual karma.

 

About this author

0 comments

There are no comments for this post yet.

Be the first to comment. Click here.

Deixar uma resposta